Advogado Alexandre Berthe

STJ confirma limitação de desconto automático para pagamento de empréstimo.

Em concordância com os esclarecimentos publicados pelo advogado Alexandre Berthe Pinto sobre a ilegalidade de descontos de elevado percentual realizados automaticamente da conta corrente pelos bancos para o abatimento de dívidas, o STJ proferiu recente decisão reiterando o limite máximo de retenção no percentual de 30% sobre a renda liquida. (veja ao final).

Na decisão proferida o STJ manteve o entendimento jurisprudencial construído ao longo dos anos e, ainda que venha a considerar como dever do devedor em pagar a dívida, preza pela manutenção do principio da dignidade da pessoa humana.

Assim, como em inúmeros outros casos envolvendo o desconto automático realizado pelos bancos diretamente de contas salário para o abatimento de dívidas de empréstimos consignados, cheque especial e outras, o entendimento do STJ foi no sentido de considerar que até mesmo o devedor deve ser respeitado e não pode ser surpreendido por descontos de percentual elevado que inviabilizam a própria subsistência.

E nada mais justo, afinal o desconto automático de valores percentuais elevados colocará em risco a mantença do devedor e de sua família, violando assim o princípio da dignidade da pessoa humana.

No julgamento realizado, o STJ fez incidir o limitador de 30% dos vencimentos recebidos pelo consumidor, excluindo os descontos obrigatórios.

Entretanto, há de mencionar que, quando o consumidor é devedor em várias instituições e/ou de mais de uma modalidade de empréstimos, existem decisões judiciais que aplicam o limitador de 30% de desconto envolvendo todos os credores, situação que possibilitará ao devedor continuar obtendo a renda necessária para sua subsistência e de seus familiares.

Porém, para ser beneficiado por decisões análogas, é necessário que o consumidor vitimado por desconto de percentuais abusivos diretamente de sua conta destinada ao recebimento de salário, pensão etc. procure o profissional habilitado para que seja esclarecido dos procedimentos necessários para interposição da ação judicial cabível.

E, há de se ressaltar que, existem decisões judiciais que além de limitar o desconto percentual ofertam ao consumidor o direito em ser indenizado pelos danos morais sofridos “…86245518 – CONTRATO BANCÁRIO. Empréstimo. Descontos em conta corrente. Retenção integral de salários. Sentença que reconheceu ilegais os descontos na conta corrente da autora e fixou indenização por danos morais no importe de R$10.000,00. Insurgência do banco réu. Ainda que haja cláusula autorizando o desconto, esta se caracteriza como abusiva, pois coloca o consumidor em desvantagem exagerada. Desconto automático que permite ao banco forma privilegiada de cobrança. Inadmissibilidade. O banco deve utilizar-se das vias ordinárias para cobrança do seu crédito, não se admitindo a apropriação de valores da conta em que o cliente recebe seu salário por mera conveniência e comodidade. Dano moral configurado. Indenização mantida por ponderada…”(gn)

Dessa forma, inegável que o Poder Judiciário ao analisar o caso específico, verificar o grau de endividamento do devedor, o percentual descontado automaticamente, as modalidades dos contratos existentes e demais situações, em algumas situações pode proferir decisão benéfica ao devedor que ainda continuará com a dívida, mas terá condições de garantir o necessário para própria subsistência.

Por Alexandre Berthe Pinto

[gview file=”http://bm.adv.br/bm/wp-content/uploads/2016/10/STJ-Notícias_-Mantida-decisão-que-limitou-desconto-de-empréstimo-a-30-da-renda-líquida.pdf” height=”400px” width=”400px”]

Artigos Relacionados:
É possível mudar o nome de nascimento? Como fazer?

Recentemente uma matéria jornalística abordou o assunto de um cartório no Acre que recusou registrar o nome de crianças gêmeas, Read more

Capacidade para o trabalho exclui o direito em receber pensão – STJ

Negado pagamento de pensão alimentícia após término de união homoafetiva. Por unanimidade, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça Read more

Jornal Agora – Condomínio pode vender unidade do zelador? – 06.06.2017

Condomínio pode vender apartamento do zelador? Alguns condôminos e/ou síndicos quando necessitam aumentar o caixa para realização de alterações no condomínio, Read more

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar atendimento
1
Podemos Ajudar?
Olá. Dúvida via Site ABP > Envie um breve resumo da sua dúvida ou motivo do contato e aguarde nosso retorno.