Fale via texto agora

O problema do lixo nos condomínios residenciais

O lixo é um problema mundial e afeta também os condomínios. E um conjunto de fatores como, ausência de norma sobre coleta seletiva, informação cultural do povo, local de armazenagem, custos e outros contribuem consideravelmente para que o problema da destinação do lixo faça parte do cotidiano da vida condominial.

Outrossim, até em decorrência da ausência de normas e de uma ação efetiva do Governo Municipal, várias cidades brasileiras enfrentam problema quando o assunto é a coleta seletiva de lixos, portanto, infelizmente, é necessário uma atuação mais ativa do condomínio que objetivar resolver o problema da destinação correta do lixo, focado em questões ambientais e até econômicas.

Primeiramente, é necessário romper paradigmas culturais de que os custos normalmente necessários para implantação de uma regra de coleta seletiva bem elaborada em um condomínio seja considerado como gastos e não investimentos. Isso porque, o valor inicialmente dispensado retorna para o bem do próprio condomínio, seja no exercício de cidadania preservando o meio ambiente e, em alguns casos, até mesmo com a venda do próprio lixo.

Porém, nenhuma ação terá sucesso sem que ocorra o envolvimento de toda comunidade condominial, é preciso boa vontade dos condôminos, que deverão separar os lixos residenciais de acordo com sua classificação (orgânicos, metais, papeis etc.), posteriormente é preciso que exista por parte do condomínio uma regra para realização da própria coleta.

Uma situação que é um pouco prejudicial para uma ação efetiva é decorrente da mentalidade de que muitos condôminos possuem sobre a comodidade da vida condominial. Isso porque, vários moradores possuem em mente que é obrigação do condomínio realizar a coleta do lixo de sua moradia nos andares ou algo do gênero, quando o correto seria que cada morador no horário que lhe fosse mais conveniente dispensasse seus resíduos em um local especifico do condomínio, devidamente preparado para esse fim e com as separações cabíveis de acordo com a classificação do resíduo. Mas, infelizmente, é muito forte na cultura brasileira transferir ao condomínio o ônus pela coleta do lixo das unidades autônomas dos condôminos, situação que, além de refletir em gasto humano, material e reflexivamente em custo, não permite a correta destinação do lixo.

Portanto, considerando o próprio tabu e comodismo que acerca o tema, o ideal é que o condomínio crie comissões para tratar do assunto, pesquise casos de sucesso, busque soluções, faça simulação de cálculos do retorno financeiro que a venda do lixo poderá refletir, além do operacional, pois, ao invés de destinar um funcionário para diariamente recolher o lixo das unidades, o que demanda tempo “perdido”, o funcionário poderia estar realizando outras tarefas mais úteis, etc., ou seja, é preciso que exista uma demonstração do quão viável e importante é ofertar o destino correto do lixo.

Assim, como há vários tabus e conceitos culturais que precisam ser discutidos e rompidos, antes de levar o assunto da coleta do lixo para qualquer assembléia é preciso esclarecimento e discussões, sendo certo que o condomínio que conseguir romper os tabus existentes será beneficiado economicamente com a venda do lixo e estará contribuindo com o meio ambiente.

Participe, envie suas dúvidas e/ou sugestões.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Artigos relacionados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Search in posts
Search in pages
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Assine Nossa Newsletter

Atenção Clientes

Papo Legal

Dúvidas e dicas jurídicas em podcast.
plugins premium WordPress
Envie sua dúvida
1
Tudo bem?
Olá. Tudo bem?