Fale via texto agora

Como trocar a administradora do condomínio?

A administradora condominial é uma prestadora de serviços do condomínio, portanto, como qualquer outro prestador, poderá ser substituída quando os condôminos acharem oportuno.

Outrossim, como prestadora de serviço, deve ter um contrato formalizado com o condomínio, listando, entre outras, suas obrigações e direitos, bem como cláusulas dispondo os procedimentos que poderão ser adotados nos casos de rescisão do contrato, especialmente, no que tange a multa, procedimentos para rescisão, causas que motivam o desligamento, prazo de aviso do desligamento e outras situações que precisam ser analisadas individualmente em cada contrato.

Assim, quando há interesse na rescisão contratual do contrato de prestação de serviço, é necessário a analise das cláusulas contratadas, principalmente no que tange aos ônus de quem motivou o rompimento da relação. Isso porque, é frequente o pagamento de multas no caso de rompimento voluntário, como também pode existir o ajuste reciproco das partes e outras variáveis que necessitam ser analisada de acordo com o caso específico, pois, em alguns casos, até mesmo a existência de multas elevadas poderão ser discutidas judicialmente.

Dessa forma, após uma análise prévia, quando há interesse do condomínio em romper o contrato de prestação de serviço é aconselhável que o assunto seja claramente exposto em Assembléia, que deverá constar na ordem do dia tal discussão, e, especialmente, quando não existir motivo concreto aparente para rescisão, os condôminos, respeitando o quórum de votação decidirão sobre a substituição e a escolha da nova administradora, consoante previsto no artigo 1348, parágrafos 1º e 2º: do CC:

“§ 1o Poderá a assembleia investir outra pessoa, em lugar do síndico, em poderes de representação.
§ 2o O síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, mediante aprovação da assembleia, salvo disposição em contrário da convenção.”

Porém, reiterando as exposições anteriores, é extremamente providencial que o Síndico e/ou Conselheiros exponham aos moradores, com o máximo de isenção, os riscos e os benefícios da alteração da administradora e fundamentem o posicionamento adotado.

Quanto ao quórum, temos que deverá respeitar o contido nos artigos 1.352 e 1.353 do CC, em primeira chamada, com quórum mínimo da metade dos condôminos ou frações ideais, votação da maioria; em segunda chamada, maioria dos votos dos presentes (ou frações ideais).

Participe, envie suas dúvidas e/ou sugestões.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Artigos relacionados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Search in posts
Search in pages
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Assine Nossa Newsletter

Atenção Clientes

Papo Legal

Dúvidas e dicas jurídicas em podcast.
plugins premium WordPress
Envie sua dúvida
1
Tudo bem?
Olá. Tudo bem?