Fale via texto agora

Cobrança de TAXA SATI é ilegal e Corretagem para ser legal deve ser informada previamente ao consumidor, decidiu o STJ.

Após anos de debates, o Superior Tribunal de Justiça julgou sobre a legalidade da cobrança da TAXA SATI e Corretagem quando da aquisição dos imóveis adquiridos na planta tendo assim definido.

1- Taxa Sati (Taxa de Assessoria Técnica-imobiliária)

Normalmente cobrada deliberadamente quando da assinatura dos contratos, em percentual médio de 0,8% sobre o valor da transação, foi considerada pratica abusiva, consoante previsto no art. 51 do CDC. E o STJ decidiu que o consumidor possui o prazo de 03 (três) anos para pedir o ressarcimento do valor pago.

Com base na decisão, os clientes interessados em obter o ressarcimento da TAXA SATI deverão providenciar os seguintes documentos:

  • Cópia do Contrato de Compra e Venda;
  • Cópia da Planilha de Pagamento dos valores iniciais;
  • Cópia de Extrato Bancário e/ou Microfilmagens de transferência realizada para terceiros para o pagamento da aludida taxa, o que normalmente ocorria.

Obs: Raramente a TAXA SATI está incluída no contrato principal, razão pela qual é aconselhável ao consumidor verificar outros documentos recebidos e pagamentos realizados para terceiros e com isso demonstrar que foi cobrado e pagou valores a título de TAXA SATI.

O valor pago deverá ser ressarcido ao consumidor com correção e juros, quando for o caso.

Com relação ao prazo de término do processo, considerando a peculiaridade do Julgamento realizado pelo STJ e as alterações decorrentes do Novo Código de Processo Civil, acredita-se que seu encerramento será mais rápido.

2 – Corretagem.

A Corretagem foi considerada legal, mas desde que o consumidor tenha sido informado de forma clara e transparente.

Assim, considerando que a condição para legitimar sua cobrança (clareza e transparência) dependerá da avaliação individualizada da negociação ocorrida com cada cliente, analise de documentos e outras situações, o ressarcimento do declinado valor dependerá de cada caso em concreto.

Dessa forma, acredita-se que existirá um número menor de consumidores beneficiados, mas o direito ao ressarcimento não foi excluído em definitivo.

Os clientes interessados em questionar o declinado pagamento deverão providenciar os seguintes documentos:

  • Cópia do Contrato de Compra e Venda;
  • Cópia da Planilha de Pagamento dos valores iniciais;
  • Cópia de Extrato Bancário e/ou Microfilmagens de transferência realizada para terceiros para o pagamento da aludida taxa, o que normalmente ocorria.

Obs: O valor da corretagem não está embutido no contrato principal e o valor normalmente era pago por intermédio de cheques e ou transferência bancária em conta de terceiros, sendo necessário ao consumidor comprovar tal situação.

Em posse dos documentos, o interessado deverá contatar o profissional de confiança para ter ciência dos procedimentos que poderão ser adotados.

Não obstante tudo isso, é importante salientar que a decisão do STJ pende de publicação no Diário Oficial, sendo prudente aos interessados que aguardem a publicação oficial para interpor novas ações judiciais.

Por Alexandre Berthe Pinto.

Fonte – Migalhas – STJ – SATI E CORRETAGEM

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Artigos relacionados

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Search in posts
Search in pages
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Assine Nossa Newsletter

Atenção Clientes

Papo Legal

Dúvidas e dicas jurídicas em podcast.
plugins premium WordPress
Envie sua dúvida
1
Tudo bem?
Olá. Tudo bem?