Locatário pode votar em assembléia de condomínio?

Locatário pode votar em assembléia de condomínio?

Como tantas outras questões envolvendo a interpretação legal no direito brasileiro, ainda que o questionamento seja simplista a resposta sob o ponto de vista legal é complexa, portanto a forma mais fácil de evitar discussões seria o proprietário outorgar ao locatário procuração para que o mesmo participe das assembleias e/ou sempre que necessário forneça procuração para cada reunião assemblear especifica evitando assim discussões futuras.

Já, no que tange ao aspecto jurídico, a grande discussão é se o atual Código Civil, que em seus artigos 1.331 a 1.358 traz várias questões relacionadas ao Condomínio revogou ou não a Lei 4.591/64 (Lei do Condomínio em Edificações e as Incorporações Imobiliárias), sendo certo que não existe um consenso legal, doutrinário e jurisprudencial sobre o tema, pois existem opiniões diversas dos mais renomados juristas.

Assim, respeitando as opiniões contrárias, compartilho do entendimento de que o atual Código Civil não revogou por completo a Lei anterior, exceto quando há igualdade no tema, ocasião em que prevalece o disposto no atual Código Civil, nas demais ocasiões compartilho estar vigente a Lei 9.591/64, que permiti a votação do locatário em algumas ocasiões, conforme podemos evidenciar nos artigos que acercam o tema.

Lei 4.591/64, artigo 24, parágrafo 4: “Nas decisões da assembleia que não envolvam despesas extraordinárias do condomínio, o locatário poderá votar, caso o condômino-locador a ela não compareça (acrescentado pela Lei 8.245/91 e alterado pela Lei nº 9.267/96).”

Novo Código Civil (de 2003), artigo 1335: “São direitos do condômino: (…)III- votar nas deliberações da assembleia e delas participar, estando quite.”

Obs: como a palavra “condômino” se refere ao proprietário, conforme pode ser verificado nos principais dicionários,  o inquilino não teria direito ao voto.

Assim, como a questão é polêmica e há fundamentos para ambos os posicionamentos, como em outras questões do direito, em caso de discussões litigiosas caberá ao interessado buscar o profissional de sua confiança e ao Poder Judiciário decidir com lastro em sua forma interpretativa de cada caso concreto até que exista uma orientação jurisprudencial final acerca do assunto.

Artigos Relacionados

Advogado, Inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil Secção de São Paulo; Membro da Comissão de Direito Condominial da OAB-SP; Membro da Associação dos Advogados de São Paulo; Cursou Pós Graduação em Direito das Famílias e das Sucessões (EPD), É Pós Graduando em Direito Aplicado aos Serviços de Saúde; Ao navegar Fone 11 5093-2572 - Skype alexandre.berthe - WhatsApp 55 11 94335-8334 - E-mail alexandre@alexandreberthe.com.br - www.alexandreberthe.com.br e é participantes de sites como www.pensaodealimentos.com.br - www.problemasnocondominio.com - www.fraudebancaria.com.br e outros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

footer-center